Sou aluno da UEM e quero participar do PIBITI, o que devo saber?


1. Qual a diferença entre PIBITI e PIBIC?

A dinâmica e procedimentos do PIBITI (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação) são exatamente iguais aos do PIBIC. A diferença está no conteúdo do projeto de pesquisa. Enquanto no PIBIC se busca gerar conhecimento novo a partir de descobertas, no PIBITI se utiliza desse conhecimento prévio de pesquisa para desenvolver (criar, inventar) um produto, processo ou serviço novo (ou melhorado) para o mercado.

O PIBITI tem por objetivo estimular os alunos do ensino superior nas atividades, metodologias, conhecimentos e práticas próprias ao desenvolvimento tecnológico e processos de inovação. Portanto, o conteúdo doPIBITI deverá envolver atividade de desenvolvimento voltada à produção de um novo produto, ao aprimoramento de um produto que já é comercializado, como também, à criação ou aprimoramento de um processo produtivo, como por exemplo, a realização de um mesmo processo utilizando-se de menos recursos, permitindo assim ganhos de eficiência em processos.


2. Quem pode participar do PIBITI?

Poderá participar do PIBITI o aluno da UEM que estiver regulamente matriculado e cursando a graduação, desde que seja selecionado e indicado pelo orientador.

Além disso, para participar do PIBITI o acadêmico deverá possuir Currículo Lattes atualizado junto ao CNPq e não poderá possuir grau de parentesco até o terceiro grau com o orientador, estar inadimplente ou impedido de participar do PIBITI ou do PIBIC, ou estar retido na série quando do ingresso ao Programa.

 

3. Como faço para ter um Currículo Lattes?

Acesse o site da Plataforma Lattes (http://lattes.cnpq.br),clique em “Cadastrar novo currículo” e siga os procedimentos solicitados.

 

4. Posso ter alguma disciplina sendo cursada em regime de dependência?

É possível sim que alunos com dependência participem do PIBITI, porém ressaltamos a importância do aluno ter boas notas e cumprir com suas atividades acadêmicas para ter um bom resultado na pesquisa. Cabe ao professor a escolha do aluno.

.
5. O que significa estar retido na série, para fins de participação no PIBITI?

É considerado retido o aluno que tenha reprovado por nota ou por falta no ano anterior ao processo de seleção, e que, no momento de submissão do PIBITI, não tenha auferido o requisito necessário para mudança de série.



6. Como faço para me inscrever no processo de seleção do PIBITI?

Para se inscrever no processo de seleção, o primeiro passo é procurar um professor da UEM que preencha os requisitos exigidos pelo regulamento e que possa orientá-lo. Após esse primeiro contato vocês irão elaborar um projeto de pesquisa a ser desenvolvido por você, sob a orientação do professor, e o mesmo submeterá, via SGP e nos prazos estabelecidos previamente em edital, sua inscrição no processo de seleção, para concorrer a uma bolsa PIBITI.


7. O que é o SGP?

SGP é a abreviatura de “Sistema de Gestão de Projetos”. É o sistema onde todos os projetos institucionais da UEM estão cadastrados, sejam eles PIBITI, PIBIC, PIC ou projeto de pesquisa institucional. O mesmo pode ser acessado no link http://www.sgp.uem.br:8080/gip/.

 

8. Como aluno, posso me inscrever diretamente?

Não é permitido que o aluno se inscreva diretamente no PIBITI, sendo a inscrição de incumbência do professor orientador.

 

9. Como faço para achar um orientador?

Você poderá pedir para o Coordenador do seu curso de graduação indicar alguns nomes de professores, ou falar diretamente com professores em sala de aula.

 

10. Qualquer professor pode ser orientador PIBITI? Quais são os requisitos?

Não, o professor deverá ser docente efetivo da UEM, possuir titulação de doutor e regime de trabalho não inferior à 40 horas. Além disso, deverá participar de projeto de pesquisa ou de extensão tecnológica institucional e de Grupo de Pesquisa cadastrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq e localizado na UEM, possuir Currículo Lattes atualizado junto ao CNPq, não estar afastado para pós-graduação (Resolução nº. 191/2012-CAD) e nem inadimplente ou impedido de participar dos Programas Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, Iniciação Científica, Pesquisa Docente e Pós-Graduação.


11. Quero fazer uma pesquisa sobre um determinado tema, mas o edital diz que o projeto deve ser do professor. Como devo fazer?

O autor do projeto deverá ser o professor orientador. Procure um professor que atue na linha de pesquisa do tema de seu interesse, converse com ele sobre e analisem a possibilidade de ser realizado. Mas essa decisão compete somente ao professor orientador.

 

12. Como fico sabendo a linha de pesquisa de um determinado professor?

Acesse o site da Plataforma Lattes (http://lattes.cnpq.br/), clique em “Buscar currículo”, procure pelo nome do professor que deseja e no menu à direita clique em “Diretório de grupos de pesquisa” e veja em qual área o professor atua. Outra fonte de pesquisa é o site do departamento onde o professor está lotado. Você pode, ainda, conversar pessoalmente com ele.


13. Posso ter um orientador que nunca foi meu professor ou que esteja lotado em outro departamento diferente do meu curso?

Sim, desde que ele cumpra com os requisitos mínimos exigidos para o orientador.

 

14. Eu trabalho ou faço estágio remunerado. É possível participar do PIBITI?

O CNPq não permite que o bolsista tenha vínculo empregatício, faça estágio remunerado ou tenha qualquer outro tipo de remuneração.

 

15. Estou cursando o último ano da graduação e gostaria de participar do PIBITI. É possível?

Sim, porém o orientador deverá solicitar, formalmente à Divisão de Propriedade Intelectual (PTL), via SGP, sua substituição por outro acadêmico, com antecedência mínima de sessenta dias do término do seu vínculo com a Instituição.

 

16. Não quero receber bolsa, quero ser voluntário, como faço?

A UEM ainda não conta com um Programa de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação sem bolsa, nos moldes do PIC, para o caso do PIBIC. Dessa forma, se este for seu desejo, consulte o regulamento do PIC no site da Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (www.ppg.uem.br).


17. Quantas bolsas têm para o meu curso?

O PIBITI da UEM não tem número de bolsas estipuladas por curso ou área.

 

18. Qual a diferença entre as bolsas fornecidas pelo CNPq, Fundação Araucária e da UEM?

As bolsas do PIBITI são concedidas anualmente pelo CNPq e pela Fundação Araucária (FA) para algumas Instituições do País e do Paraná, no caso da FA. Em contrapartida, a UEM oferece um número de bolsas, provenientes de recursos internos. Assim, temos três fontes pagadoras do mesmo programa: bolsistas CNPq, UEM e Fundação Araucária. Não há nenhuma distinção entre os bolsistas, além da conta para depósito que dependendo da fonte pagadora deverá ser em um determinado banco ou em outro.

 

19. Sou aluno estrangeiro. Posso me candidatar a uma bolsa?

Sim. Porém você deverá ter um número de CPF e cumprir com as demais exigências do regulamento.

 

20. A participação no PIBITI pode ser contabilizada como Atividade Acadêmica Complementar (AAC)? Quais os outros benefícios?

Sim, as horas dedicadas ao PIBITI poderão ser utilizadas como AAC. Para mais informações, procure o coordenador do seu curso. Além disso, os alunos participantes do programa têm direito ao certificado de participação e descontos no Instituto de Línguas da UEM (ILG). Para mais informações, acesse o site do ILG, disponível em http://www.ilg.uem.br.

 

21. Qual a vigência do PIBITI?

O Programa tem vigência de 12 meses, iniciando-se sempre no mês de agosto de um ano e se encerrando em julho do ano seguinte.

Alunos que ingressam no Programa no decorrer de sua vigência terão a mesma data de término daqueles que estão desde o começo. Por exemplo, se um aluno entrou em substituição a outro no mês de janeiro, ainda assim o encerramento do PIBITI será em julho, recebendo o certificado de participação referente ao período em que participou e ficando responsável pela apresentação no EAITI.

 

22.   Posso participar do processo de seleção do PIBITI e do PIBIC no mesmo ano?

Não. Só é possível um cadastro por CPF.

 

23. Onde acompanho as normas que regem o PIBITI?

As normas se encontram em dois documentos complementares: o Regulamento e o Edital do Processo de Seleção. Ambos podem ser acessados na página do Núcleo de Inovação Tecnológica da UEM (http://www.nit.uem.br/index.php/pibiti), nos seus respectivos links, localizadas do lado esquerdo da página.

UEM avança no processo de inovação ao obter novas patentes
 
Em parceria com o INPI, NIT promove atividades em comemoração ao Dia Mundial da Propriedade Intelectual
 
Pesquisador do INPI ministra palestra em evento promovido pela PPG e NIT
 
Inaugurado o Parque Tecnológico "Maringatech"
 
Aulas do ProfNIT têm início na UEM
 
Empresários de Maringá e região visitam UEM
 
NIT promove palestra sobre Novo Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação
 
Coordenador de Ciência, Tecnologia e Inovação do Paraná visita NIT-UEM
 
Bolsistas PIBITI e membros do CIBITI da UEM participam do 5º EAITI
 
 
 Bolsista PIBITI da UEM integra equipe vencedora do Prêmio SINDUSCON Academia 
 
Premiação
 
Bolsista PIBITI da UEM é premiado por desenvolver espuma à base de sisal, bagaço de cana e casca de arroz
 
Bolsista PIBITI vence concurso nacional de superfície em imagens
 
NIT participa de Rodada de Inovação Tecnológica
 
Evento debate Desenvolvimento Tecnológico e Inovação
 UEM tem mais duas patentes concedidas pelo INPI

Entrega de Patentes e Registro de Software - INPILink para a reportagem

 

Fonte: Informativo de Articulação Setorial - Ano 4 - Edição 41, 30/06/2014

 

Pesquisadores da UEM garantem três registros de programas de computador

Fonte: Universidade Estadual de Maringá, 18/06/2014

 

Brasil ocupa penúltima posição em ranking de patentes válidas
Fonte: Jornal da Ciência, 5/05/2014

 

Evento de Inovação e Transferência Tecnológica

Fonte: Universidade Estadual de Maringá, 18/03/2014 

 

Pesquisa em ciência, tecnologia e inovação serão priorizados pelo governo

Fonte: Rotas Estratégicas - Biotecnologia Animal, 04/02/2014

 

UEM é a 14ª do País em inovação

Fonte: Informativo UEM - Nº 1059, 20/11/2013

 

 UEM e Marinha trabalham para tornar o Brasil autossuficiente na produção de combustível nuclear

 

Fonte: Paraná faz Ciência, 10/2013

 

UEM desenvolve pesquisa de tratamento alternativo para o câncer

 Fonte: RIC Mais Paraná, 13/09/2013

 

 

Joomla templates by Joomlashine